Linha


Existe hoje no mercado uma gama muito boa de linhas. Hoje fala-se muito em multifilamento e fluorcarbon, porém estes nomes serão tratados posteriormente.
Na escolha da linha a ser utilizada deve-se levar em conta os seguintes aspectos: diâmetro, resistência e memória.
Diâmetro é, a grosso modo, o “tamanho da circunferência da linha”, ou em termos mais técnicos é o diâmetro da secção ortogonal a linha.
Resistência é a capacidade máxima de peso suportado pela linha. A resistência vai variar em função do tamanho do peixe que se deseja pescar. Um fato importante a ser destacado é que dentro da água existe um campo de resistência muito grande o que ocasiona um maior peso a que a linha é submetida na hora do trabalho dentro da água. Trocando em miúdos, se o pescador pega um peixe de 5 Kg, quando dentro da água o peixe vai exercer uma força sobre a linha e a água do mar também vai exercer uma força sobre a linha, o que leva ao entendimento de compensar a resistência da linha em termos do esforço total que ela vai exercer dentro da água. Mas não se trata de algo a ser milimetricamente calculado, pois as condições do mar sofrem variações infinitas dentro de um curto espaço de tempo. Outro fator que merece atenção é que, em muitos casos, uma linha de determinado fabricante em diâmetro de 0.40mm, por exemplo, é menos resistente que uma 0.37mm, de outro fabricante, isso ocorre devido ao processo de confecção da linha que varia de fabricante para fabricante. Deve-se levar também em conta que embaixo da água a linha pode vir a sofrer atrito com superfícies mais rígidas, como rochas repletas de mariscos, o atrito com os passadores, etc.
Memória é a propriedade da linha se deformar e retornar a sua forma original. Quanto maior a memória da linha menos capacidade ela tem de voltar a sua forma original após uma ação que a deforme. As linhas de maior memória são menos indicadas para empate de anzol. A deformação da linha pode ocasionar danos e desgastes na mesma.

Linha Principal

Na Pesca de Praia (PDP) os fatores naturais influenciam a maneira de pescar. Correntes marinhas, vento, ondas, relevo marinho, substrato, tudo vem a exercer ação sobre a linha que está ao sabor do movimento do mar enquanto a isca aguarda o ataque do peixe. Problemas como a isca sair da posição em que é lançada, chumbada não ficar fixada na areia e correr para os lados muitas vezes são problemas ocasionados pela ação dos elementos naturais sobre a linha. É complicado falar em padrões de material e procedimentos na PDP, porém, como auxílio à redução desse desconforto, na hora da pescaria existe o artifício de utilizar linhas mais finas para a pescaria na praia. São comuns em pesca de praia a utilização de linhas de bitolas 0.14mm, 0.16mm, 0.20mm e não são raros os casos da retirada de belos exemplares de peixes com essa bitola de linha. O arremesso também vem a ser beneficiado pelo uso de linhas de bitolas mais finas.
Quando do uso de uma linha mais fina, necessitamos do chamado arranque, que nada mais é que uma linha de maior bitola atada ou colada à linha principal cuja função é suportar o trabalho realizado pelo conjunto chumbada + chicote na hora do arremesso.

Arranque

O arranque, mencionado anteriormente, é uma linha de maior bitola que a linha principal que vem com a função de suportar o trabalho realizado pelo conjunto chumbada + chicote durante o arremesso.
Os arranques podem ser montados de várias formas, um dos fatores que podem definir o tipo de arranque a ser utilizado tem relação com o peso da chumbada que se deseja arremessar.
Os procedimentos utilizados para atar a linha principal ao arranque são os nós e a colagem.
Na confecção dos arranques devemos levar em contra a diferença entre os diâmetros da linha principal e a linha do arranque, essa diferença não deve ultrapassar os 0.10mm. Isto porque diferenças acima dos 0.10mm pode ocasionar comprometimento e perda de resistência da emenda. Nesses casos utilizamos um método que visa derivar as espessuras de linha desde a linha principal até o arranque. Segue um exemplo:

Linha Principal: 0.20mm
Arranque: 0.30mm ~ 0.40mm ~ 0.50 mm
Arranque: 0.25mm ~ 0.30mm ~ 0.35mm ~ 0.40mm ~ 0.45mm ~ 0.50mm

Chicote

O chicote é onde ficam presas as pernadas dos anzóis. É a parte de baixo do conjunto da linha, anterior a chumbada principal.
Existem inúmeros métodos para confecção de chicotes, o que vai definir qual chicote a ser usado é o objetivo da pescaria a ser realizada. Existem chicotes com giradores, rotores, chicotes com nós, chicotes com chumbada oliva, enfim uma gama de montagens que o pescador terá de avaliar segundo o objetivo que almeja em sua pescaria.

Pernadas

Pernada é a linha que prende o anzol ao chicote.
O tamanho da pernada pode variar de acordo com o objetivo da pesca. Quando utilizamos um chicote com mais de uma pernada devemos observar que o tamanho da pernada seja menor que o intervalo entre as mesmas no chicote. Por exemplo, se um chicote possui duas pernadas e elas estão 30cm distanciadas é importante que o tamanho da linha da pernada seja um pouco menor que esse intervalo. Esse procedimento é interessantes pois visa diminuir o embolo das pernadas que normalmente acontecem pois as mesmas estão ao sabor do mar.

Abraços

Colaboração: diego_rj (membro do Fórum Pesca de Praia)